01 setembro 2006

Cansaço

"Estou cansado, é claro.
Porque, a certa altura, a gente tem que estar cansado.
De que estou cansado, não sei:
De nada me serviria sabê-lo,
Pois o cansaço fica na mesma.
A ferida dói como dói
E não em função da causa que a produziu.
Sim, estou cansado,
E um pouco sorridente
De o cansaço ser só isto -
Uma vontade de sono no corpo,
Um desejo de não pensar na alma,
E por cima de tudo uma transparência lúcida
Do entendimento retrospectivo...
E a luxúria única de não ter já esperanças?
Sou inteligente: eis tudo.
Tenho visto muito e entendido muito o que tenho visto,
E há um certo prazer até no cansaço que isto nos dá,
Que afinal a cabeça sempre serve para qualquer coisa."
Álvaro de Campos

Santa gente que nos serve com as palavras. Qual "toma lá, vá". Talvez com um certo egoísmo, penso. Poupa-me o trabalho de o procurar dizer

2 Comments:

Blogger Marco Martins said...

O cansaço é natural como a agua que insistentemente correrá num rio fluente... cansaço que será banalizado quando as novas àguas renovadoras se instalarem nas margens e fluirem com naturalidade... nao foi por cansaço que deixei de vir aqui... foi pela preguiça de tudo e de todos... enfim voltei.. :) Beijo*

1/9/06 01:33  
Blogger Egrégora said...

Também me fiz jejum por aqui e por outros sitios mais.
É preciso fazermos pausas, para depois nos deixarmos regressar.
Deve ser como os fluídos que falas...

Lx vai-nos dar o tempo e espaço que não temos tido. Estou contente por isso

:)

1/9/06 03:58  

Enviar um comentário

<< Home